Papa demite líderes da Caritas Internacional e nomeia comissário extraordinário

A investigação do Dicastério para o desenvolvimento humano do Vaticano foi presidida pelo cardeal Michel Czerny e revelou problemas de funcionários, que levou a consequências negativas no emprego e organização, mas excluiu a negligência financeira ou conduta sexual inapropriada.

Francisco demitiu todos os altos funcionários da Caritas Internacional, os membros do Conselho de Representação e do Conselho Executivo, o presidente, os vice-presidentes, o secretário-geral, o tesoureiro e o assistente eclesiástico, e atribuiu todos os poderes de governação ao comissário extraordinário Pier Francesco Pinelli, que será assistido pela Dra. Maria Amparo Alonso Escobar e pelo padre jesuíta Manuel Morujão.

O Papa assinou um decreto que sujeita o organismo católico que coordena a rede internacional da Igreja de 162 organizações caritativas a um “comissário temporário”. Pinelli deve rever o “quadro normativo” da Caritas Internacional a fim de “melhorar” a sua missão no mundo ao serviço dos mais pobres e necessitados, “à luz do Evangelho e dos ensinamentos da Igreja Católica”.

A investigação, embora apontando para falhas na gestão do trabalho, excluiu a má gestão financeira ou má conduta sexual. De facto, afirma-se que a gestão financeira foi “correta” e os objetivos de angariação de fundos “foram alcançados”. Neste sentido, é assegurado que os principais objetivos da auditoria eram intervir no “bem-estar laboral” dentro da estrutura e no “alinhamento com os valores católicos da dignidade humana e do respeito por cada pessoa”.

A investigação foi realizada por uma comissão independente presidida pelo próprio Pinelli e assistida por uma equipa de psicólogos. Os resultados mostraram “deficiências nos procedimentos de gestão com efeitos negativos também no espírito de equipa e na moral do pessoal”. Os membros da Caritas Internacional, bem como antigos funcionários e colaboradores, foram entrevistados para as investigações.

A nova liderança provisória da Caritas Internacional terá de atualizar tanto os estatutos como as regras do órgão da Igreja que gere projetos de ajuda humanitária em muitos países “para os tornar mais funcionais e eficazes”, tendo em vista a próxima Assembleia Geral agendada para maio de 2023.

Nesta última tarefa, como especificado no decreto assinado pelo Papa, o comissário extraordinário será assistido pelo Cardeal Luis Antonio G. Tagle, até agora presidente da Cáritas, e “será especialmente responsável pelo cuidado das relações com as Igrejas locais e com as Organizações Membros da Cáritas Internacional”.

Read More

Leave Your Comments

Your email address will not be published.

Copyright 2011-2021. All Rights Reserved