Terroristas matam 3 israelenses usando machadinhas e facas, palestinos comemoram com doces

JERUSALÉM, Israel – Dois palestinos mataram três pessoas em um ataque terrorista no centro de Israel na noite de quinta-feira, enquanto os israelenses comemoravam o Dia da Independência

A polícia está procurando por dois suspeitos que, segundo eles, mataram três pessoas e feriram outras quatro usando machadinhas e facas na cidade ultraortodoxa de Elad, perto de Tel Aviv. As autoridades identificaram As’ad Alrafa’ani, 19, e Sabhi Abu Shakir, 20, – ambos da cidade de Jenin, na Cisjordânia – como suspeitos de terrorismo.

O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett disse que as forças de segurança vão pegar os agressores.

“Vamos colocar nossas mãos nos terroristas e seus colaboradores, e eles pagarão o preço. Envio minhas condolências do fundo do meu coração às famílias dos assassinados”, diz Bennett.

Os três homens mortos no ataque foram identificados como Boaz Gol, Oren Ben Yiftah e Yonatan Havakuk. Juntos, eles deixam um total de 16 filhos.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, condenou “veementemente” o ataque terrorista. “Este foi um ataque horrível contra homens e mulheres inocentes, e foi particularmente hediondo quando Israel comemorou seu Dia da Independência”, disse ele em comunicado.

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, também denunciou o ataque.

“O assassinato de civis palestinos e israelenses só leva a uma maior deterioração da situação em um momento em que todos nos esforçamos para alcançar a estabilidade e evitar a escalada”, disse Abbas. 

Grupos terroristas palestinos elogiaram o ataque, mas nenhum deles reivindicou imediatamente a responsabilidade.

O Hamas chamou isso de “uma operação heróica” e disse que foi uma resposta aos judeus que visitaram o Monte do Templo na quinta-feira.

“Nosso povo continuará sua luta e sua defesa da mesquita de Al-Aqsa com todos os meios. Seus golpes atingirão os sionistas e os colonos onde quer que estejam”, disse o porta-voz do Hamas, Abd al-Latif al-Qanou.

Durante semanas, as tensões estão fervendo em Jerusalém no complexo da Mesquita de Al-Aqsa, localizado no Monte do Templo – o local mais sagrado do judaísmo e o terceiro local mais sagrado do Islã. Manifestantes muçulmanos entraram em confronto repetidamente com a polícia israelense, ameaçando desencadear um conflito mais amplo com grupos terroristas palestinos na Faixa de Gaza.

Israel está atualmente enfrentando uma onda de ataques terroristas palestinos que mataram 19 israelenses.

Em um discurso recente, o líder do Hamas, Yahya Sinwar, ameaçou uma “guerra religiosa” e convocou os palestinos na Cisjordânia – Judéia e Samaria bíblicas – a atacar israelenses.

“Nosso povo deve se preparar para uma grande batalha se a ocupação não cessar sua agressão contra a mesquita de Al-Aqsa”, disse Sinwar durante um discurso em Gaza.

“Violar Al-Aqsa e Jerusalém significa uma guerra regional e religiosa”, disse ele.

Palestinos em Gaza distribuíram doces na quinta-feira em comemoração ao ataque.

Fonte: https://www1.cbn.com/cbnnews

Read More

Leave Your Comments

Your email address will not be published.

Copyright 2011-2021. All Rights Reserved